Nascido em 1967 no seio de uma família humilde, Albino Miranda sempre se fez destacar pela sua criatividade e aptidão para o mundo das artes. Após ter colaborado com várias empresas essencialmente na área da cerâmica, onde sempre se destacou pelo seu talento enquanto escultor, é então nos anos 90, com a ambição de crescer a nível profissional por conta própria e tendo a escultura como paixão, que abre as portas a um possível negócio que vem posteriormente a ser a Albino Miranda, Lda. Começando num pequeno espaço em sua casa, onde fazia as suas esculturas num compósito de pedra que ele mesmo inventou, cria a marca “Gestos”, e o seu projeto vai crescendo aos poucos. Acompanhando sempre as necessidades do mercado, o negócio vai-se estendendo eventualmente a outros tipos de pedra, madeiras e acabamentos personalizados. Atualmente desenvolve os seus trabalhos em fibra de vidro, material com o qual pretende trabalhar de ora em diante dadas as suas propriedades mecânicas e flexibilidade de projeto.


"Arte como expressão do pensamento"


Outros Projetos

30 de Novembro de 2017 marca o dia onde a mais importante obra escultural de Albino Miranda (até à data) foi inaugurada. Importante não só pela sua dimensão, 20 metros de altura por 30 metros de diâmetro, mas por representar aquele que é o principal símbolo de Barcelos e até de Portugal, conhecido e falado mundialmente - O Galo de Barcelos.

Esta escultura gigante está dividida em 2 elementos: A estátua central alusiva ao "Galo de Barcelos", e o anel que a circunda, ilustrado com a sua tão famosa Lenda.

Pode ser vista na principal entrada de Barcelos, na Av. São José, 4750 - Barcelos, ou através das seguintes coordenadas: 41.538971, -8.624538


Roteiro do Artesanato

Esculturas artesanais em Barcelos

O roteiro do figurado de Barcelos pretende consolidar a cidade enquanto capital do artesanato. As peças, assinadas por Albino Miranda, são feitas em fibra de vidro, têm entre 1,70 e 2,70 metros de altura e pesam entre 150 e 200kg.

Estas replicam algumas das peças mais emblemáticas dos artesãos da cidade, como por exemplo a "Medusa" de Julia Ramalho, a "Cabra" de Rosa Ramalho, a "Junta de Bois" de Rosa Côta, a "Gigantona" de Julia Côta, o "Presépio na Bilha" de Júlio Alonso, a "Galinheira" de Conceição Sapateiro, o "Músico Cabeçudo" de Ana Baraça, entre outros trabalhos.